Primeiros Eventos(06-12-2011)

Apresentação de Música Computacional – Estréias – 06/12/2011 – 12h30min.

 

Prof. Orientador: E. F. Fritsch

 

            Um dos primeiros receios com relação à composição automatizada, é que ela poderia substituir seres humanos na composição, do mesmo modo que as execuções de gravações substituíram músicos em muitos locais. Cinco décadas após ampla publicação dos experimentos do pioneiro na composição por computador, Lejaren Hiller, isto não ocorreu. Ao contrário, a música computacional algorítmica, automática e interativa passou a ser um campo fértil para a produção musical.

            A apresentação de peças musicais criadas no computador utilizando diversas técnicas composicionais busca mostrar a produção  realizada pelos alunos do Curso de Composição Musical da UFRGS. Nesta oportunidade a comunidade poderá tomar contato com o mais recente repertório de música computacional da UFRGS criado por estudantes que aprenderam a compor com o software Pure Data. Participam dessa apresentação os alunos da disciplina de Computação Musical do professor E.F. Fritsch: Alberto Ritter Tusi, Israel Kralco Machado, Sergio Balthazar de Lemos, Vinicius Azzolini de Lima, Elder dos Santos Oliveira Junior e Renan Manito Guzzo.

 

            Duração Aproximada: 45 min. 

Apresentação de Música Computacional

Composições produzidas em Pure Data na disciplina Música Computacional

Prof. Orientador E. F. Fritsch

 

06 de dezembro de 2011

Sala dos Sons – 2o. Andar da Reitoria

 

 

Gritos Calados, Mortas Esperanças (2011) – Elder Oliveira

 

Peça musical com sons não-ortodoxos de saxofone espacializados em oito alto-falantes. Nesta obra ocorre a citação à canção tradicional portuguesa, o Fado “Maldição”, conhecida mundialmente através da interpretação de Amália Rodrigues. Tal citação ora é obscurecida, ora é evidenciada pelo saxofone que controla os sons pré-gravados.

 

Elder Oliveira

 

Elder Oliveira, nascido na cidade do Rio Grande, começou seus estudos musicais aos 7 anos de idade. Aos 14, estuda Saxofone com o Maestro e Major Adão Ribeiro. Ingressa no ensino superior de música em 2008, na habilitação em Composição Musical.

 

 

Esparolíngia Orgônica (2011) – Sergio Lemos

A peça inicia com um improviso entre o bandolinista e o computador. As frases do instrumentista e as gravações escolhidas aleatoriamente são disparadas por notas pré-estabelecidas pelo compositor e se confundem, formando uma teia contrapontística e textural, que hora se adensa e hora se rarefaz. A energia vai pouco a pouco sendo liberada, cada vez de forma mais intensa como se cada liberação encorajasse outra um pouco maior, até que ela é totalmente descarregada num grande caos de bandolins. Após, totalmente esgotada, provoca na peça uma grande sensação de tranquilidade e plenitude, onde a respiração finalmente pode fluir tranqüila. Não existe mais expectativa com relação ao por vir. A peça então se despede delicadamente do ouvinte e se recolhe.

Segio Lemos

Nascido em 1988 na cidade de Salvador, estudou piano com sua mãe até os 12 anos de idade. Aos 17anos, já no sul do Brasil iniciou seus estudos em violão clássico com diversos professores. Atualmente é aluno do 6º semestre no curso de graduação em composição musical da UFRGS sob orientação do Prof. Dr. Antônio Carlos Borges Cunha.

 

 

 

Mpam (2011) – Alberto Ritter Tusi

Mpam foi produzida através de um planejamento prévio da forma musical, a mesma concebeu-se no ato de compor e foi moldada por escolhas entre as possibilidades oferecidas pelos peculiares meios propostosos: algoritmos computacionais e gravações em áudio controladas pelo Theremin, criado na Rússia por volta de 1920, foi o primeiro instrumento eletrônico portátil e amplamente difundido no mundo. Nele a frequência e a amplitude do som são controladas pela aproximação e afastamento das mãos em relação à antena. A sonoridade meditativa alcançada revela-se pelo tratamento contemplativo dado às sonoridades texturais e reverberantes compostas pelos algorítimos geradores de notas e pelo áudio de fundo que foi composto eletronicamente com sons captados de uma simples garrafa.

Alberto Ritter Tusi

Nasceu em 1989 em Santiago-RS e estudou em Curitiba-PR, na tradicional Escola de Música e Belas Artes do Paraná, local onde tomou gosto pela composição musical. Voltou ao Rio Grande do Sul para estudar no Instituto de Artes da UFRGS, onde está cursando composição. Seu trabalho composicional remete-se à Fé e às formas da natureza da sua terra.

 

Para quem teme a solidão (2011)  – Renan Manito Guzzo

 

Para quem teme a solidão é uma composição experimental da disciplina de Música Computacional do curso de Música da UFRGS, e utiliza guitarra elétrica disparando algoritmos no Pure Data. Possui um caráter não determinístico, uma vez que depende de escolhas randômicas dos algoritmos disparados e trabalha com sonoridades texturais, granulares e contrastes dinâmicos entre as partes, produzindo diferentes atmosferas sonoras.

 

Renan Manito Guzzo

 

Nascido em 1990, iniciou seus estudos aos 10 anos tendo aulas de violão. Posteriormente começou a tocar em bandas de rock de Canoas e Porto Alegre. Em  2009 iniciou o bacharelado em composição na UFRGS. Hoje dedica-se à guitarra jazz e ao estudo de composição.

 

 

Atrito (2011) – Vinícius Azzolini

 

Peça que utiliza o programa Pure Data. Um contador automático estabelece uma linha cronológica disparando os eventos musicais. A composição está dividida em três seções: Seção A: construída com clusters e modificações de timbres. Seção B: igual à  seção A, diferindo dessa unicamente na escolha dos timbres. E seção C: apresenta uma passagem musical  criada a partir de transformações do trompete gravado. Nesta terceira seção ocorre o improviso do trompete.

 

Vinícius Azzolini

 

Vinícius Azzolini nasceu em Porto Alegre. Estudou trompete, piano e violão e atualmente está concluindo o Bacharelado em composição(UFRGS), sob a orientação do professor Dr. Celso Loureiro Chaves.

 

 

Exercício No1 (2011) – Israel Kralco Machado

 

 

Produzido no Programa Pd-extended, o Exercício No1 faz jus ao seu título, sendo um exercício composicional no qual foi aplicado alguns dos conhecimentos obtidos na classe do Prof. E. F. Fritsch. A peça é constituída por uma interação entre os sons produzidos no computador e sons produzidos pelo violino, se valendo de recursos como MouseState, fiddle, entre outros. 

 

 

Israel Kralco Machado

 

Estudante do VI semestre de composição da UFRGS e do II semestre de regência também da UFRGS, é formado Técnico em música pelo Instituto Adventista Cruzeiro do Sul. Estudou violino com Rogério Nunes e atualmente é regente do Coral Adventista de Esteio e coordenador do projeto Música na Igreja, da Igreja Adventista de Esteio.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s